Principais problemas na gravidez

Problemas na Gravidez

No primeiro trimestre, podem aparecer sintomas típicos, devido à fase de adaptação do organismo com relação às mudanças hormonais.

Os problemas mais comuns são:

  • Enjoos e vômitos;
  • Azia;
  • Inchaços.

Entretanto, é possível também que ocorram problemas mais sérios durante a gestação, como descolamento da placenta, placenta baixa, placenta prévia total, eclâmpsia e pré-eclâmpsia; ou aborto espontâneo.

O descolamento de placenta é uma eventualidade grave. Pode ocorrer a partir da 20ª semana e necessita intervenção urgente para salvar o concepto. Ocorre em aproximadamente 1% das gestações, ou em 6,5 para cada 1.000 partos. Existem causas traumáticas (acidentes, por exemplo) e causas não traumáticas. Dentre estas últimas está a hipertensão materna como a principal.

Há dois tipos de descolamento:

  • Descolamento com hemorragia visível: quando uma quantidade de sangue é expelida pela vagina e há uma forte dor ou contração uterina. Ocorre em aproximadamente 80% dos casos;
  • Descolamento com hemorragia invisível: quando não há sangramento visível e o único sintoma é uma forte dor ou contração uterina. A operação cesariana de urgência é geralmente indicada e há necessidade de cuidados intensivos da mãe durante e após o parto pelo risco de hemorragia grave.

Placenta prévia parcial ou placenta baixa: trata-se de uma implantação anormal da placenta próxima ao colo do útero. Na maioria das vezes, o crescimento do útero faz com que a placenta se afaste do colo, adquirindo uma localização normal. Caso haja sangramento no início da gravidez, ou em qualquer época, o repouso, geralmente absoluto, é fundamental. Se não houver a migração para uma localização normal, o parto via abdominal (cesariana) deve ser considerado.

Placenta prévia total é quando a placenta encobre totalmente o colo do útero. A possibilidade de migração da placenta para uma localização normal é muito pouco provável. Caso haja sangramento no início da gravidez, ou em qualquer época, é necessário o repouso absoluto. Se não houver a migração para uma localização normal, o parto via abdominal (cesariana) deve ser considerado. Há uma grande possibilidade de descolamento da placenta e hemorragia grave.

Pré-eclâmpsia e eclâmpsia são doenças caracterizadas pelo aumento da pressão arterial durante a gravidez, perda de proteína na urina e aumento de peso acima de 500g por semana, causando riscos para a mãe e para o concepto.

Aborto espontâneo é o falecimento do feto. As causas do aborto são variadas. Problemas de coagulação, alterações cromossômicas e doenças infecciosas são as causas mais conhecidas.

Fonte:

RAY, J. G.; LASKIN, C. A. Folic acid and homocyst (e) ine metabolic defects and the risk of placental abruption, pre-eclampsia and spontaneous pregnancy loss: a systematic review. Placenta, v. 20, n. 7, p. 519-529, 1999.

RAYMOND, Elizabeth G.; MILLS, James L. Placental abruption: maternal risk factors and associated fetal conditions. Acta obstetricia et gynecologica Scandinavica, v. 72, n. 8, p. 633-639, 1993.

ANANTH, Cande V.; SAVITZ, David A.; WILLIAMS, Michelle A. Placental abruption and its association with hypertension and prolonged rupture of membranes: a methodologic review and meta-analysis. Obstetrics & Gynecology, v. 88, n. 2, p. 309-318, 1996.

GLANTZ, Chris; PURNELL, Leslie. Clinical utility of sonography in the diagnosis and treatment of placental abruption. Journal of ultrasound in medicine, v. 21, n. 8, p. 837-840, 2002.

FERGUSON, JAMES HENRY. Severe abruptio placentae. Clinical obstetrics and gynecology, v. 3, n. 1, p. 68-75, 1960.

BRONSTEEN, R. et al. Effect of a low‐lying placenta on delivery outcome.Ultrasound in Obstetrics & Gynecology, v. 33, n. 2, p. 204-208, 2009.

CLARK, Steven L.; KOONINGS, PAUL P.; PHELAN, JEFFREY P. Placenta previa/accreta and prior cesarean section. Obstetrics & Gynecology, v. 66, n. 1, p. 89-92, 1985.

COMEAU, JAMES et al. Early placenta previa and delivery outcome.Obstetrics & Gynecology, v. 61, n. 5, p. 577-580, 1983.

ROBERTS, James M.; REDMAN, C. W. G. Pre-eclampsia: more than pregnancy-induced hypertension. The Lancet, v. 341, n. 8858, p. 1447-1451, 1993.

ALBERMAN, Eva. Spontaneous abortions: epidemiology. In: Spontaneous Abortion. Springer London, 1992. p. 9-20.