referencia x genericos

A DIFERENÇA ENTRE MEDICAMENTOS DE REFERÊNCIA, GENÉRICOS E SIMILARES

Quando o seu médico lhe receita um medicamento, o próximo passo é ir comprá-lo na farmácia. Mas, o que fazer se lhe oferecem várias opções?
Segundo o site da Anvisa – a agência nacional que regula a venda de medicamentos -, o medicamento de referência é aquele reconhecido por sua eficácia e segurança, geralmente foi o primeiro a surgir no mercado para curar determinada doença. É também conhecido popularmente como “medicamento de marca”.

Já o genérico é uma categoria mais recente no Brasil. O Ministério da Saúde exige testes de bioequivalência para comprovar que o medicamento tem rigorosamente as mesmas características e efeitos sobre o organismo do paciente do que o medicamento de marca.
Dessa forma, o genérico tem equivalência farmacêutica ao de referência – possuindo, portanto, a mesma composição e o mesmo princípio ativo. Deve também ser absorvido em igual quantidade e no mesmo ritmo que o remédio de marca.

Por fim, existe ainda o remédio similar. Com o mesmo princípio ativo, concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, o medicamento similar não é, entretanto, bioequivalente ao medicamento de referência. Isso significa que não passou por análises para comprovar que o ritmo e a quantidade de absorção são exatamente iguais aos do remédio original. Desse modo, apesar de ter qualidade assegurada pelo Ministério da Saúde, o medicamento similar não pode substituir os medicamentos de marca na receita médica.

Com informação, fica mais fácil tomar a decisão certa na hora da compra. Se você estiver pensando em substituir o medicamento da receita, não deixe de checar com o seu médico se essa troca é mesmo segura.

Fonte:

ANVISA. Diferenças entre embalagem de genérico e similar. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/100300.htm>. Acesso em: 27 de jun. 2013.

L.BR.09.2013.1054