EXAMES

Durante a gestação, a mulher deve realizar alguns exames para acompanhar o desenvolvimento do bebê e a sua saúde.

 

O pré-natal é indicado para todas as mulheres grávidas, pois é ele que detectará problemas como diabetes e hipertensão.

 

O principal exame durante a gravidez é o ultrassom. Esse exame mostra o sexo do bebê e também informa como sua saúde funcional e anatomia.

 

Quem determina a quantidade e a frequência com que devem ser feitos os exames é o seu médico obstetra.

 

PREVENÇÃO

Uma lista dos exames mais adequados para cada trimestre de gestações de baixo e alto risco.

Veja quais são os exames na gravidez

 

Essas indicações foram sugeridas a partir de recomendações do Ministério da Saúde e de entrevistas com três médicos: Alexandre Trajano, professor titular de Obstetrícia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), coordenador do Núcleo Perinatal da mesma instituição e professor da Universidade do Grande Rio (Unigranrio); Rafael Bruns, professor do departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFPR; e Zilma Reis, professora do departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG.

 

Essas orientações se aplicam a gestações consideradas saudáveis – isto é, sem fatores de risco como hipertensão ou diabetes.

 

Exames para uma gravidez de baixo risco

1º trimestre

 

  • Determinação de grupo sanguíneo e do fator Rh: prevê e evita a eritroblastose fetal (incompatibilidade sanguínea entre a mãe e o feto). Quando a mãe tem o fator Rh negativo e o feto positivo, os anticorpos dela atacam o sangue do bebê. Pode ser tratado, se diagnosticado precocemente. O exame é feito por meio de coleta sanguínea;
  • Hemograma: verifica proporções, quantidade e aspectos morfológicos do sangue. É importante para o diagnóstico de anemia;
  • Glicemia de jejum: detecta se há tendência de diabetes gestacional. Coleta de sangue em jejum para determinar a concentração de glicose no sangue;
  • Coleta de sangue para pesquisar hepatite B, toxoplasmose, HIV (o vírus que causa AIDS), rubéola e sífilis;
  • Exame de urina: avalia presença de infecção urinária;
  • Ultrassom obstétrico: é indicado para confirmar a cronologia da gestação. Também pode ser usado para prognóstico de doenças cromossômicas ou malformações;
  • Papanicolau: para detectar câncer do colo de útero.

 

2º trimestre

 

  • Repete-se o exame de sangue para avaliar existência de sífilis e, se necessário, de toxoplasmose;
  • A coleta de sangue para avaliar a glicemia de jejum também é refeita, assim como o exame de tolerância à glicose. Novamente, o objetivo é avaliar se há tendência de diabetes gestacional;
  • Ultrassom obstétrico morfológico:  nessa fase, é útil para analisar a formação dos órgãos fetais.

 

3º trimestre

 

  • São repetidos os exames de sangue, como o hemograma e as sorologias que podem detectar hepatite B, toxoplasmose, HIV, rubéola e sífilis;
  • Ultrassom obstétrico: na reta final, avalia o crescimento fetal e sinaliza complicações como desnutrição ou excesso de peso;
  • Monitora também o volume de líquido amniótico e as condições da placenta.

 

Exames para uma gravidez de alto risco

Nestes casos, as consultas ao obstetra tendem a ser mais frequentes. O pré-natal é primordial para a grávida de alto risco, porque detecta algumas complicações em potencial no próprio consultório.

 

“Podem-se identificar condições de risco no próprio exame da gestante, como a elevação dos níveis da pressão arterial, considerada a principal causadora de complicações graves para a mulher e para o bebê”, afirma a professora Zilma Reis. “A necessidade de exames varia de acordo com o problema apresentado. Por exemplo, se a paciente é hipertensa, poderá fazer um monitoramento da pressão arterial. Se é diabética, será necessário um maior controle da glicemia”, aponta o professor Rafael Bruns.

 

A fim de evitar procedimentos invasivos, a ultrassonografia é uma grande aliada, sobretudo para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do bebê, e a quantidade de líquido amniótico. O ultrassom morfológico costuma ser recomendado para mulheres que têm casos de malformações congênitas na família (ou que já tiveram filho com problemas desse tipo), para mães com mais de 35 anos e em gravidez de gêmeos, entre outros casos. Frequentemente é feito com 20 a 24 semanas de gestação.

 

Em alguns casos, pode ser necessário submeter-se a procedimentos como a biópsia de vilo corial (retirada de fragmento placentário) ou a amniocentese (retirada de líquido amniótico com uma agulha), com o objetivo de detectar anomalias. “Outros exames, como a cardiotocografia (registro da frequência cardíaca fetal e das contrações uterinas) e a dopplervelocimetria fetal (mede a velocidade do fluxo sanguíneo na placenta), também são empregados no acompanhamento da gravidez de alto risco”, enumera Trajano.

 

CONVIVENDO

O primeiro exame a ser realizado por uma mulher grávida é o teste de gravidez. Apesar de haver testes em farmácia, aconselha-se visitar um médico e realizar o exame de sangue para a confirmação.

 

Se a gravidez for planejada, o ideal é começar o acompanhamento antes mesmo da concepção. Desse modo, a mulher se certifica de que sua saúde está bem e que seu corpo é capaz de enfrentar uma gestação sem sustos.

 

A rotina de exames pode variar de acordo com o grau de risco da gestação. Ela inclui, além dos testes solicitados no primeiro trimestre de gravidez, visitas periódicas ao obstetra. Geralmente, até à 28ª semana a consulta é mensal; entre a 28ª e a 36ª, quinzenal. Da 36ª à 40ª, semanal. Caso a gestação ultrapasse esse período, são feitas duas consultas por semana.

 

Em todos os períodos da gestação são realizados exames que conferem como estão os elementos que garantem a qualidade de vida do bebê naquele momento, como a quantidade de líquido amniótico e a formação dos órgãos e tecidos.

 

Fonte: Dr. Sérgio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

PERGUNTAS FREQUENTES

O DIU Hormonal pode me proteger do HIV ou de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis)?

Não. O DIU Hormonal não fornece proteção contra o HIV ou ISTs.

Quanto tempo devo esperar para ter relações sexuais após a inserção do DIU Hormonal?

É aconselhável aguardar cerca de 24 horas após a inserção antes de ter relação sexual. Porém, logo após a inserção, o DIU Hormonal já inicia sua ação contraceptiva.

Com que frequência devo consultar meu médico após a inserção do DIU Hormonal?

Após a inserção do DIU Hormonal, é recomendável que seja realizada uma consulta em um período de 4 a 2 semanas para verificar a colocação correta e quaisquer problemas. Posteriormente, é recomendado que se realizem retornos anuais ou mais frequentemente se for clinicamente indicado por seu médico.

Meu ciclo menstrual mudará com o DIU Hormonal?

Depois que o organismo se adaptar, seu ciclo menstrual poderá se tornar irregular. Você também poderá observar manchas ou leve sangramento. Após seu corpo se ajustar, o número de dias de sangramento deverá diminuir e, em algumas usuárias, pararão completamente enquanto o DIU Hormonal for utilizado. Isto não será prejudicial à sua saúde. Seu ciclo menstrual retornará ao normal após a remoção do DIU Hormonal.

VER TUDO

VÍDEOS

MITOS E VERDADES SOBRE CONTRACEPCAO DE LONGO PRAZO

MITOS E VERDADES SOBRE CONTRACEPCAO DE LONGO PRAZO

YYMMDD Author/Uploaded by

A ginecologista e obstetra Dra. Thais Ushikuza esclare as principais duvidas e mitos sobre os métodos de contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Para receber mais informações,
digite seu nome e e-mail.

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

 

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.