SEGURANÇA NO TRÂNSITO

A segurança da mulher grávida no trânsito é indispensável. O cinto de segurança é fundamental para a saúde da mãe e do bebê. Com a barriga já crescida, a gestante deve utilizar o cinto de três pontos abaixo da barriga, ajustando para não se machucar.

 

A mulher deve evitar dirigir nos últimos meses de gestação, pois a ansiedade e o trânsito podem deixá-la desconfortável.

 

Com o nascimento do bebê, é obrigatório utilizar o bebê-conforto. O CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito-transformou em lei o uso obrigatório da cadeira-auto e bebê -conforto para crianças até sete anos e meio de idade. A lei entrou em vigor no começo de 2010, determinando uma multa de R$191,54, perda de sete pontos na carteira e até a apreensão do veículo para quem for flagrado sem a cadeirinha.

 

Confira os tipos de equipamento para cada idade da criança:

 

Bebê Conforto – Grupo 0,0+ (de 0 a 12 meses): até aproximadamente 12 meses de idade, ou até que tenham alcançado altura e peso máximos determinados pelo fabricante do dispositivo de segurança, deve ser usado o “bebê conforto”. O bebê conforto deve ser instalado no banco traseiro, de costas para o motorista ou carona, pois somente assim o bebê fica protegido de ferimentos na coluna cervical em caso de colisão ou freadas. O bebê conforto deve estar preso pelo cinto de segurança do veículo e o bebê deverá estar preso ao cinto do equipamento. Para maior praticidade, existem bases que permanecem instaladas no veículo, facilitando o encaixe e o travamento do bebê conforto na mesma. Outro cuidado importante é nunca reclinar o bebê conforto mais do que 45 graus.

Segurança no Trânsito

 

Cadeira para Auto – Grupo I (de 13 a 32 meses): Dos 13 meses aproximadamente, até os 32 meses, ou até que tenham alcançado altura e peso máximos determinados pelo fabricante do dispositivo de segurança, as crianças serão acomodadas na cadeira auto. A cadeira auto deverá estar voltada para frente, presa pelo cinto de segurança do veículo e a criança deverá estar presa no cinto de segurança da cadeirinha.

 

Assento de Elevação – Grupo II e III – (de 33 a 90 meses): Dos 33 meses, aproximadamente, até 90 meses, deve-se usar um assento de elevação (booster) e cinto de segurança do automóvel. Neste caso, a criança ficará presa pelo cinto de segurança do automóvel. O assento de segurança faz com que o cinto de segurança do carro passe nos locais corretos do corpo da criança: sobre os quadris e ao centro do ombro e peito.

 

A instalação do equipamento deve ser realizada de forma correta para garantir a segurança e o conforto da criança. A cadeirinha é mais segura do que o transporte nos braços de um adulto.

 

De acordo com as estatísticas, o uso adequado da cadeira auto e do bebê conforto pode reduzir até 71% o risco de lesão fatal ou permanente em acidentes de automóvel.

 

Fonte: Dr. Sérgio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP e site Compra Fácil.

PERGUNTAS FREQUENTES

Pílula anticoncepcional engorda?

Essa é uma dúvida de muitas mulheres que pensam em tomar pílula. A resposta é não. Tomar pílula anticoncepcional não engorda. O que acontece é que os hormônios presentes em muitas delas podem favorecer a retenção de líquidos que acabam provocando o inchaço corporal, mas isso varia de organismo para organismo e de pílula para pílula. Quanto menos hormônio, menos efeitos colaterais o medicamento provoca. Algumas pílulas podem provocar mais retenção de líquidos que outras, dependendo do tipo de hormônio que ela contém.

É normal me sentir enjoada, com desconforto nos seios e ter sangramentos (spotting) quando comecei a tomar pílula?

No início do uso da pílula anticoncepcional é comum ocorrerem alguns desconfortos como enjoo, incômodo nos seios e pequenos sangramentos. Recomenda-se não tomar a pílula de estômago vazio para amenizar estes sintomas. Sobre os sangramentos de escape ou spotting são mais comuns em mulheres que usam pílulas com baixa dosagem hormonal, que no início ainda não fornecem estímulo hormonal suficiente para cicatrizar a camada interna do útero logo após o término da menstruação. Esses sintomas variam de mulher para mulher e devem cessar em poucos meses, pois trata-se de um processo de adaptação do corpo ao hormônio que está sendo ingerido, e isso é normal.  Caso esses sintomas não desapareçam em três meses, procure seu ginecologista.

Onde posso saber mais sobre o DIU Hormonal?

Para saber mais sobre o tratamento com o DIU Hormonal, consulte seu médico. Ele poderá fornecer informações adicionais a você e a seu parceiro.

Quando não devo usar o DIU Hormonal?

O DIU Hormonal não deve ser utilizado na presença de qualquer uma das condições descritas a seguir:

  • Doença inflamatória pélvica atual ou recorrente (infecção dos órgãos reprodutores femininos);
  • Ocorrência ou suspeita de gravidez;
  • Infecção do trato genital inferior;
  • Infecção do útero após parto;
  • Infecção do útero após um abortamento ocorrido durante os últimos 3 meses;
  • Infecção do colo do útero;
  • Anormalidades celulares no colo do útero;
  • Ocorrência ou suspeita de câncer do colo do útero ou do útero;
  • Tumores que dependem do hormônio progestógeno para se desenvolver;
  • Sangramento vaginal anormal não diagnosticado;
  • Anormalidade do colo do útero ou do útero, incluindo leiomiomas, se estes causarem deformação da cavidade uterina;
  • Condições associadas com aumento de susceptibilidade a infecções;
  • Presença de doença hepática ou tumor hepático;
  • Hipersensibilidade ao medicamento ou a qualquer constituinte do produto.
VER TUDO

VÍDEOS

MITOS E VERDADES SOBRE CONTRACEPCAO DE LONGO PRAZO

MITOS E VERDADES SOBRE CONTRACEPCAO DE LONGO PRAZO

YYMMDD Author/Uploaded by

A ginecologista e obstetra Dra. Thais Ushikuza esclare as principais duvidas e mitos sobre os métodos de contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Para receber mais informações,
digite seu nome e e-mail.

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

 

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.