DISFUNÇÕES SEXUAIS FEMININAS – COMPULSÃO SEXUAL

A compulsão sexual é caracterizada pelo comportamento focado excessivamente no sexo, a ponto de tirar a atenção de outras atividades e prejudicar a vida familiar, social e profissional e que, portanto, requer tratamento.

 

O diagnóstico da doença pode levar anos. Em geral, acredita-se que a disfunção se trata de uma preferência ou característica pessoal. Além disso, é comum que pacientes que sofram com essa disfunção apresentem transtornos psicológicos associados, tais como ansiedade ou transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

 

O tratamento dessa disfunção é feito por meio de psicoterapia e, em alguns casos, com o uso de antidepressivos ou medicamentos para o controle da ansiedade. O objetivo principal é que o paciente assuma o controle de suas vontades e não do seu desejo sexual e ter uma vida sexual com menos problemas.

 

Fonte:

MINHA VIDA. Compulsão sexual é doença e precisa de tratamento. Disponível em: http://www.minhavida.com.br/saude/materias/12666-compulsao-sexual-e-doenca-e-precisa-de-tratamento. Acesso em 06 de março de 2015.
AMBULATÓRIO DE IMPULSO SEXUAL EXCESSIVO E DE PREVENÇÃO AOS DESFECHOS NEGATIVOS ASSOCIADOS AO COMPORTAMENTO SEXUAL. Disponível em: https://ipqhc.org.br/2020/04/06/comportamento-sexual-compulsivo/. Acesso em 06 de março de 2015.
HENCKEL, Marciela. Impulso Sexual Excessivo. Disponível em: http://www.psicopatologiafundamental.org.br/uploads/files/v_congresso/mr_82_-_marciela_henckel.pdf. Acesso em 06 de março de 2015.

Disfunções Sexuais Femininas – Compulsão Sexual

PERGUNTAS FREQUENTES

Quais são os efeitos colaterais comuns do DIU Hormonal?

Os tratamentos médicos e suas possíveis reações adversas podem afetar cada paciente de forma diferente. Abaixo, alguns dos efeitos colaterais que podem estar associados ao DIU Hormonal, embora nem todas as pacientes os apresentem:

  • Mudanças no sangramento menstrual, tais como manchas, sangramento leve, sangramento irregular e interrupção do sangramento;
  • Dor pélvica ou abdominal;
  • Desenvolvimento de cistos nos ovários que, em geral, são resolvidos sem tratamento;
  • Dores de cabeça;
  • Mastalgia;
  • Mudanças na pele (acne).

A maior parte destes efeitos colaterais é observada apenas temporariamente nos primeiros 3 a 6 meses após a colocação do DIU Hormonal.

Consulte sempre seu médico caso apresente algum sintoma que acredite ser relacionado à medicação.

O procedimento para inserção ou retirada do DIU Hormonal é doloroso?

Em geral, o procedimento de inserção do DIU Hormonal é muito bem tolerado e dura poucos minutos, e o de remoção é ainda mais simples e rápido. No ato da inserção pode ocorrer leve sensação de desconforto pélvico, tipo cólica menstrual. Logo após a inserção, também podem ocorrer algumas cólicas, em virtude da adaptação do útero com o DIU Hormonal. Em condições normais estas dores tendem a desaparecer em pouco tempo. Em relação à remoção, a sensação de desconforto leve pode ocorrer nas primeiras horas. Em todas estas situações e, somente se o médico julgar apropriado, medicamentos analgésicos podem ser indicados. O uso de técnicas de colocação corretas e esterilizadas ajudam a prevenir complicações.

Qual é o melhor momento para o médico colocar o DIU Hormonal?

Em mulheres em idade reprodutiva, é recomendável que o DIU Hormonal seja inserido na cavidade uterina no período de até 7 dias após o início da menstruação, pois a inserção nesta fase será mais fácil.

Em se tratando de mulheres que já são usuárias deste método e desejam substituí-Io por um novo, este pode ser introduzido imediatamente após a retirada do anterior. No período pós-parto é recomendável que seja inserido a partir da 6ª semana após o nascimento do bebê. Nos casos de aborto que não tenha qualquer suspeita de infecção, o DIU Hormonal poderá ser inserido logo que o médico julgar pertinente.

Qual é a eficácia do DIU Hormonal?

A eficácia do DIU Hormonal é comparável, na maioria dos casos, à esterilização feminina (laqueadura) e aos mais eficazes dispositivos intrauterinos (DIUs) de cobre ou contraceptivos orais (pílulas) atuais.

No tratamento de sangramento menstrual excessivo, o DIU Hormonal promove uma forte redução de sangramento após três meses de uso. Algumas usuárias não apresentam qualquer sangramento.

VER TUDO

VÍDEOS

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

YYMMDD Author/Uploaded by

A ginecologista e obstetra Dra. Thais Ushikuza esclare as principais duvidas e mitos sobre os métodos de contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Para receber mais informações,
digite seu nome e e-mail.

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

 

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.