Estou correndo algum risco ao colocar um DIU de cobre ou um DIU medicado com progesterona? Vai doer a inserção?

O DIU (Dispositivo intrauterino) é um dos métodos mais eficientes contra uma gravidez não planejada. Trata-se de um dispositivo no formato de “T” que é inserido pelo ginecologista no útero da mulher. Além da ação contraceptiva, o método não exige que a mulher tome medicação diariamente para ter sua função preservada, como as pílulas, e sua ação é de cinco anos no caso do DIU medicado com progesterona e de até dez anos no caso do DIU de cobre.

O DIU medicado com hormônio contém progesterona, um dos hormônios presentes nos anticoncepcionais mais modernos. Ele age liberando uma dose da substância no útero, sua atuação é local, por isso evita a circulação de hormônios na corrente sanguínea. Já o DIU tradicional, não é medicado e age por meio das propriedades do cobre, material do qual é feito, impedindo a fertilização.

Muitas mulheres ficam receosas em adotar o DIU como método contraceptivo de longo prazo, mas trata-se de um dos métodos mais seguros disponíveis no mercado e que é indicado para grande parte das mulheres que querem evitar uma gestação inesperada. São muitos os mitos em torno do uso do DIU, como infertilidade, doença inflamatória pélvica e que seria um método abortivo, mas o dispositivo não provoca nenhum desses problemas.

O dispositivo não afeta em nada a fertilidade. A mulher que utiliza o DIU e decide engravidar precisa apenas procurar seu ginecologista para que ele retire o dispositivo, assim, após o próximo ciclo menstrual, aproximadamente 30 dias, a mulher já estará com o corpo pronto para iniciar uma gravidez. A doença inflamatória pélvica não tem nenhuma relação com o DIU, ela é causada por bactérias que podem ser transmitidas, principalmente, por via sexual. E, para quebrar o maior mito de todos, o DIU não é um agente abortivo, sua versão de cobre libera íons de metal que instabilizam os espermatozoides, fazendo com que estes não consigam fecundar o óvulo, já o DIU medicado com progesterona age por meio da liberação do hormônio no útero, que também impede a ação dos espermatozoides. Outro medo que muitas mulheres têm é da possível dor na hora de colocar o DIU. Pesquisas apontam que menos de 20% das mulheres que adotaram o DIU como método contraceptivo sentiram desconforto no momento de sua colocação. Na maioria dos casos as mulheres sentem algo semelhante à cólica menstrual tanto no momento da inserção, quanto na retirada do dispositivo intrauterino. Mas é claro que parte do conforto durante o procedimento depende também da experiência e cuidado do profissional de ginecologia, por isso não deixe de conversar com seu médico sobre DIU e o processo de inserção do dispositivo.

HATCHER, R. A., RINEHART, W., BLACKBURN, R., GELLER, J. S. e SHELTON, J. D.: Pontos Essenciais Da Tecnologia de Anticoncepção. Baltimore, Escola de Saúde Pública Johns Hopkins, Programa de Informação de População, 2001.
UNIFESP; Dispositivo Intrauterino DIU. Disponível em . Acesso em 29 de abril de 2014.

L.BR.05.2014.1982