MENSTRUAR OU NÃO, EIS A QUESTÃO

Atualmente existem métodos contraceptivos que permitem que a menstruação ocorra com menos frequência ou até não ocorra. Por esse motivo muitas mulheres têm questionado se alterar o ciclo menstrual pode causar algum dano à saúde.

 

A menstruação frequente é um fenômeno relativamente novo. Estima-se que as mulheres pré históricas menstruavam cerca de 50 vezes na vida: atualmente as mulheres modernas menstruam em média 450 vezes. Essa diferença pode ser porque antigamente a vida da mulher se caracterizava por gestações consecutivas, amamentação prolongada e sua expectativa de vida era mais baixa.

 

A habitual menstruação mensal com o uso de pílulas teve inicio com John Rock e Gregory Pincus em 1958. Desde essa época, se comentava que a mulher poderia escolher a duração do seu ciclo menstrual, mas por questões políticas, culturais e religiosas da época a menstruação era mensal. Apesar de haver sangramento mensal com as pílulas, este não é uma menstruação e sim um sangramento pela retirada brusca de hormônios.

 

Pesquisas demonstram que 62% das mulheres gostariam de menstruar menos frequentemente ou não menstruar. Motivos para isso incluem: reduzir sintomas menstruais, higiene, melhoria na qualidade de vida e diminuir o sangramento.

 

Gineco - Menstruar ou não

Uma pesquisa feita com ginecologistas brasileiros mostra que 93% deles consideram ser seguro não menstruar.

 

A supressão da menstruação ganhou legitimidade ao ser utilizada como tratamento de doenças como cólicas menstruais, miomas, endometriose, etc. Conclui-se então que o sangramento mensal não é necessário para a eficácia contraceptiva ou do tratamento. Diversos países, inclusive o Brasil, já têm medicamentos aprovados para tal fim.

 

O bloqueio da menstruação também pode apresentar vantagens como: maior adesão ao método contraceptivo, menor interferência nas atividades diárias ou ocasiões especiais, menor gasto com produtos de higiene e menos faltas no trabalho/escola por queixas relacionadas à menstruação.

 

Por isso, seja qual for a sua preferência, converse com o seu médico ginecologista pois somente vocês dois poderão decidir qual o melhor intervalo menstrual e qual a melhor forma de atingir o objetivo.

 

Dra. Thaís Emy Ushikusa

 

Ginecologista, obstetra e colposcopista.

 

Gerente Médica – Bayer SA

 

Fontes:

Jensen JT, Garie SG, trummer D, Elliesen J. COntraception 2012.

Jacobson JC, Likis FE, Murphy PA. J Midwifery Women’s Health 2012.

Pompei LM, Fernandes CE, Steiner ML et al. Gynecol Endocrinol 2013.

Christin-Maitre S. Clin Endocrinol Metabol. 2013.

Edelman AE, Gallo MF, Nichols MD et al. Hum Reprod 2006.

PERGUNTAS FREQUENTES

O DIU hormonal pode me proteger do HIV ou de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis)?

Não. O DIU hormonal não fornece proteção contra o HIV ou ISTs. 

Quanto tempo devo esperar para ter relações sexuais após a inserção do DIU hormonal?

É aconselhável aguardar cerca de 24 horas após a inserção antes de ter relação sexual. Porém, logo após a inserção, o DIU hormonal já inicia sua ação contraceptiva. 

Com que frequência devo consultar meu médico após a inserção do DIU hormonal?

Após a inserção do DIU hormonal, é recomendável que seja realizada uma consulta em um período de 4 a 2 semanas para verificar a colocação correta e quaisquer problemas. Posteriormente, é recomendado que se realizem retornos anuais ou mais frequentemente se for clinicamente indicado por seu médico. 

Meu ciclo menstrual mudará com o DIU hormonal?

Depois que o organismo se adaptar, seu ciclo menstrual poderá se tornar irregular. Você também poderá observar manchas ou leve sangramento. Após seu corpo se ajustar, o número de dias de sangramento deverá diminuir e, em algumas usuárias, pararão completamente enquanto o DIU hormonal for utilizado. Isto não será prejudicial à sua saúde. Seu ciclo menstrual retornará ao normal após a remoção do DIU hormonal. 

VER TUDO

VÍDEOS

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

YYMMDD Author/Uploaded by

A ginecologista e obstetra Dra. Thais Ushikuza esclare as principais duvidas e mitos sobre os métodos de contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Para receber mais informações,
digite seu nome e e-mail.

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

 

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.