MÉTODOS CONTRACEPTIVOS DE LONGO PRAZO: QUAIS SÃO OS REAIS BENEFÍCIOS PARA AS PACIENTES?

Uma das grandes conquistas femininas foi poder decidir quando engravidar. Com a descoberta e evolução dos contraceptivos, diversas opções são disponibilizadas no mercado todos os anos visando facilitar a vida das mulheres. Dentre todas as alternativas, os métodos de longo prazo podem apresentar benefícios.

 

Os anticoncepcionais de longo prazo são práticos e não há a necessidade de lembrar-se de tomar o medicamento todos os dias no mesmo horário, como a pílula convencional.

 

Ao esquecer-se de tomar a pílula anticoncepcional a sua eficácia é comprometida, aumentando as chances de uma gravidez não planejada. Como os métodos de longo prazo não necessitam dessa regularidade na sua ingestão, seu efeito contraceptivo não depende da participação da mulher.

 

A eficácia desses métodos é realmente de longo prazo. Uma das opções mais eficientes dentre as existentes é o DIU medicado com progesterona (também conhecido popularmente como DIU Hormonal – Dispositivo Intrauterino). O DIU é um dispositivo intrauterino em forma de “T” que é inserido pelo ginecologista no útero da paciente.

 

Métodos contraceptivos de Longo Prazo: Quais são os reais benefícios para as pacientes?

O DIU de cobre evita a fecundação sem a liberação de hormônios, apenas pela ação do cobre. No caso do DIU medicado com progesterona (ou DIU Hormonal), ele age por cinco anos, liberando diariamente uma quantidade baixa de progesterona, um hormônio presente nas pílulas, que com sua forte atuação local no útero impedirá uma gravidez indesejada.

 

Por ter atuação local, o DIU com hormônio pode ser usado por mulheres que ainda estão amamentando, pois a progesterona não circula na corrente sanguínea e assim não afeta em nada a amamentação e saúde da mãe e do bebê.

 

Como se todos esses benefícios já não fossem suficientes, o DIU medicado com hormônio, também reduz as cólicas menstruais e até mesmo o sangramento, facilitando ainda mais a rotina da mulher moderna que estuda, trabalha, cuida da casa e quer ter total controle sobre o seu corpo.

 

Outra opção de método contraceptivo de longo prazo são os implantes, pequenos bastões contendo hormônio, colocados sob a pele do braço, que liberam essa substância por um período de três a cinco anos. Por não dependerem da administração da usuária, os implantes também possuem alta eficácia contraceptiva.

 

Fonte:

HATCHER, R. A., RINEHART, W., BLACKBURN, R., GELLER, J. S. e SHELTON, J. D.: Pontos Essenciais Da Tecnologia de Anticoncepção. Baltimore, Escola de Saúde Pública Johns Hopkins, Programa de Informação de População, 2001.
UNIFESP; Dispositivo Intrauterino DIU. Disponível em . Acesso em 29 de abril de 2014.

PERGUNTAS FREQUENTES

Quais são os efeitos colaterais comuns do DIU Hormonal?

Os tratamentos médicos e suas possíveis reações adversas podem afetar cada paciente de forma diferente. Abaixo, alguns dos efeitos colaterais que podem estar associados ao DIU Hormonal, embora nem todas as pacientes os apresentem:

  • Mudanças no sangramento menstrual, tais como manchas, sangramento leve, sangramento irregular e interrupção do sangramento; 
  • Dor pélvica ou abdominal; 
  • Desenvolvimento de cistos nos ovários que, em geral, são resolvidos sem tratamento;
  • Dores de cabeça;
  • Mastalgia;
  • Mudanças na pele (acne).

A maior parte destes efeitos colaterais é observada apenas temporariamente nos primeiros 3 a 6 meses após a colocação do DIU Hormonal.

Consulte sempre seu médico caso apresente algum sintoma que acredite ser relacionado à medicação. 

O procedimento para inserção ou retirada do DIU Hormonal é doloroso?

Em geral, o procedimento de inserção do DIU Hormonal é muito bem tolerado e dura poucos minutos, e o de remoção é ainda mais simples e rápido. No ato da inserção pode ocorrer leve sensação de desconforto pélvico, tipo cólica menstrual. Logo após a inserção, também podem ocorrer algumas cólicas, em virtude da adaptação do útero com o DIU Hormonal. Em condições normais estas dores tendem a desaparecer em pouco tempo. Em relação à remoção, a sensação de desconforto leve pode ocorrer nas primeiras horas. Em todas estas situações e, somente se o médico julgar apropriado, medicamentos analgésicos podem ser indicados. O uso de técnicas de colocação corretas e esterilizadas ajudam a prevenir complicações. 

Qual é o melhor momento para o médico colocar o DIU Hormonal?

Em mulheres em idade reprodutiva, é recomendável que o DIU Hormonal seja inserido na cavidade uterina no período de até 7 dias após o início da menstruação, pois a inserção nesta fase será mais fácil.

Em se tratando de mulheres que já são usuárias deste método e desejam substituí-Io por um novo, este pode ser introduzido imediatamente após a retirada do anterior. No período pós-parto é recomendável que seja inserido a partir da 6ª semana após o nascimento do bebê. Nos casos de aborto que não tenha qualquer suspeita de infecção, o DIU Hormonal poderá ser inserido logo que o médico julgar pertinente. 

Qual é a eficácia do DIU Hormonal?

A eficácia do DIU Hormonal é comparável, na maioria dos casos, à esterilização feminina (laqueadura) e aos mais eficazes dispositivos intrauterinos (DIUs) de cobre ou contraceptivos orais (pílulas) atuais.

No tratamento de sangramento menstrual excessivo, o DIU Hormonal promove uma forte redução de sangramento após três meses de uso. Algumas usuárias não apresentam qualquer sangramento. 

VER TUDO

VÍDEOS

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

Mitos e Verdades sobre Contracepcao de Longo Prazo

YYMMDD Author/Uploaded by

A ginecologista e obstetra Dra. Thais Ushikuza esclare as principais duvidas e mitos sobre os métodos de contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Para receber mais informações,
digite seu nome e e-mail.

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

 

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.