Tromboembolismo venoso

 

Tromboembolismo venoso (TEV) é o termo empregado para designar a combinação de duas doenças, a trombose venosa profunda (TVP) e a embolia pulmonar (EP). A trombose venosa profunda é uma doença causada pela formação de coágulos no interior das veias profundas, geralmente nos membros inferiores. E embolia pulmonar é a obstrução das artérias do pulmão causada pela formação de coágulos (trombo).

 

É uma doença decorrente de condições variadas, adquiridas ou congênitas. Dentre os principais fatores de risco para o desenvolvimento dessa doença estão:
• Cirurgia e Trauma;
• Idade;
• Obesidade;
• Câncer;
• Gravidez e pós-parto;
• Tabagismo;
• Varizes;
• Uso de anticoncepcional.

 

Alt tag

Apesar de serem duas doenças combinadas, o tratamento do Tromboembolismo venoso deve ser único. É uma doença de alto risco, podendo levar a óbito caso não ocorra o tratamento adequado.

 

 

Fonte:

Rizzatti, Edgar Gil; Franco, Rendrik. Medicina. In: Tratamento do Tromboembolismo Venoso. 2001. Ribeirão Preto – SP.

Sintomas

 

O tromboembolismo venoso pode apresentar os seguintes sintomas e sinais:

 

  • Edema (inchaço);
  • Dor;
  • Calor;
  • Rubor (vermelhidão);
  • Rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo;
  • Cor mais escura da pele;
  • Endurecimento do tecido subcutâneo;
  • Eczemas.

 

Alt tag

Fonte:

Rizzatti, Edgar Gil; Franco, Rendrik. Medicina. In: Tratamento do Tromboembolismo Venoso.  2001. Ribeirão Preto – SP. 

amento do Tromboembolismo Venoso. 2001. Ribeirão Preto – SP.

Tratamentos e cuidados

 

O tratamento do Tromboembolismo Venoso consiste em aliviar os sintomas agudos da doença, evitar o aumento dos coágulos e diminuir a morbidade da síndrome pós-trombótica. É indicado o uso de medicamentos intravenosos ou via oral.

 

O laboratório Bayer, a fim de analisar o risco da ocorrência de TEV, patrocinou estudos para analisar o uso de anticoncepcionais combinados com drospirenona. Assim como em anticoncepcionais com levonorgestrel, o contraceptivo combinado com drospirenona apresenta baixa a incidência de TEV com anticoncepcionais a base de drospirenona é um evento raro e inferior a que pode ser observada na gravidez e no puerpério.

 

Risco de TEV associado ao uso de contraceptivos – Assista ao vídeo, clique aqui

 

Risco de TEV associado ao uso de contraceptivos 2 – Assista ao vídeo,clique aqui

 

Alt tag

Fontes:

Dr. Sérgio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

Rizzatti, Edgar Gil; Franco, Rendrik. Medicina. In: Tratamento do Tromboembolismo Venoso.  2001. Ribeirão Preto – SP.

Dinger, Jürgen et al.: The safety of a drospirenone-containing oral contraceptive: final results from the European Active Surveillance study on Oral Contraceptives based on 142,475 women-years of observation. In: Contraception, 75, 2007, 344– 354.

DINGER, Jürgen; MÖHNER, Sabine; HEINEMANN, Klaas. Cardiovascular risks associated with the use of drospirenone-containing combined oral contraceptives. Contraception, v. 93, n. 5, p. 378-385, 2016.

Long-Term Active Surveillance Study for Oral Contraceptives (LASS) clinicaltrials.gov ; http://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT00676065?term=LASS&rank=1

Seeger, John et al.: Risk of Thromboembolism in Women Taking Ethinylestradiol/Drospirenone and Other Oral Contraceptives. In: Obstetrics & Gynecology, Vol. 110, No. 3, Setembro de 2007, 587 – 893.

Convivendo

 

O tromboembolismo é caracterizado pela formação de coágulos de sangue no interior das veias, bloqueando de forma parcial ou total a passagem do sangue. O coágulo, também conhecido como trombo, se forma quando ocorre algum desequilíbrio no mecanismo de coagulação. Complicações após cirurgias, pré-disposição genética, obesidade, tabagismo, gravidez e longos períodos de imobilidade podem proporcionar o desenvolvimento de coágulos sanguíneos e a formação dos “trombos”.

 

O público feminino é mais comumente atingido pela doença devido à maior frequência de problemas genéticos que propiciam a trombose. Os hormônios femininos tendem a provocar distúrbios da coagulação sanguínea em pessoas que já têm histórico de trombose na familia.

 

Quando descoberto logo no início, as chances de cura e de convívio pacífico com a doença são grandes. O tratamento com medicação anticoagulante, que age “afinando” o sangue e diminuindo a formação dos coágulos, é a forma mais comum utilizada pelos médicos para controlar e impedir complicações como a embolia pulmonar.

 

Praticar exercícios leves é de fundamental importância para evitar o avanço da doença. Caminhar pelo menos 30 minutos todos os dias ativa a circulação sanguínea e aumenta o fluxo, impedindo a formação de novos trombos além de auxiliar na saúde do corpo como um todo. As meias de alta compressão são fiéis aliadas de quem já possui a doença e a intensidade do uso deve ser determinada e acompanhada pelo médico de acordo com o quadro clínico do paciente.

 

A princípio, o diagnóstico de tromboembolismo pode parecer assustador, mas com tratamento adequado e acompanhamento médico constante, é possível conviver bem com a doença.

 

Fontes:

MINHA VIDA; Prevenção da trombose pede uso de anticoagulantes e meias de compressão. Disponível em: http://www.minhavida.com.br/saude/materias/3437-prevencao-da-trombose-pede-uso-de-anticoagulantes-e-meias-de-compressao. Acesso em 13/03/2018.

Ministério da Saúde. Blog da Saúde. Saiba como evitar a trombose. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-dasaude/51678-saiba-como-evitar-a-trombose. Acesso em: 05.12.2020.

Esse artigo foi útil para você?

PROCURE UM MÉDICO

Precisa falar com um gineco?

Ícone de Estetoscópio

Agende uma consulta

Faça uma consulta com um ginecologista, na melhor data e horário para você.

Agende um horário

ARTIGOS RELACIONADOS

Colocou o DIU hormonal? Vem tirar as dúvidas

Baixe o app MeuDIU e fique
ligade em tudo sobre ele e
sua adaptação

Aplicativo MeuDIU