Conhecendo Seu Corpo Depois de Ter o Bebê

A gravidez e o parto são dois dos momentos mais emocionantes, desafiantes e transformadores na vida de uma mulher. Muitas mudanças ocorrem no seu corpo desde o momento da concepção, e isto cobrará uma ação, tanto física quanto emocional.

As futuras mães sabem quais mudanças ocorrerão no seu corpo durante a gravidez, no entanto, a pergunta sobre o que acontece no corpo depois do parto também deve ser abordada, inclusive se a mulher já tiver filhos. Cada gravidez é diferente e estas dicas foram criadas para assegurar que as futuras mães sejam especialistas nas mudanças corporais que vêm com o parto.

Sangramento depois do parto

Todas as novas mães sangram depois de ter seu bebê; estes sangramentos são chamados de “lóquios”, e são completamente naturais. É a forma utilizada pelo organismo para liberar a camada interna do útero depois do parto1. O fluxo de sangue será reduzido e sua cor mudará com o tempo, desse modo, não se desespere, já que isto é normal.1 O tempo de sangramento é variável, mas em média dura de cinco a seis semanas após do parto.1 O fluxo diminuirá gradualmente e reduz com o tempo, se isto não ocorrer, ou se você apresentar um aumento no mesmo, ou alteração em sua cor mudar, isto pode ser um sinal de problema e você deve entrar em contato com seu médico.1

1    Os exercícios para a base pélvica ajudarão muito

À medida que o bebê cresce durante a gestação, seu peso, junto com o peso do útero expandido, exerce uma pressão e tensão adicionais sobre os músculos que sustentam a bexiga, o intestino e o útero.2

A saída acidental e involuntária da urina, às vezes depois de tossir, espirrar ou com exercícios, se chama “incontinência do esforço”, e é um dos problemas mais comuns nas novas mães. A capacidade de superar a incontinência varia enormemente de uma mulher para outra. Para algumas, o problema desaparece em algumas semanas, mas para outras pode persistir durante meses ou tornar-se um problema crônico.3 Uma maneira de enfrentar a incontinência, assim como reduzir um pouco o inchaço causado por potenciais feridas, suturas e hematomas nos órgãos genitais durante o parto, é através de exercícios regulares para a base pélvica, antes e depois do parto.4  Estes devem ser realizados pelo menos três vezes ao dia e devem tornar-se parte da rotina diária da mãe.1 Algumas se preocupam porque pensam que fazer estes exercícios imediatamente depois do parto poderia ser prejudicial, no entanto, os médicos afirmam que quanto mais rápido uma mulher começa a fazer exercícios, melhor.5 Os médicos também podem encaminhar as mães para especialistas, os quais podem proporcionar maior ajuda e assistência, e é importante não ignorar o problema ou se sentir constrangida a respeito, já que existem soluções.

2    Relações sexuais depois do parto

A maioria das mulheres não desejam ter relações sexuais durante várias semanas depois do parto, e o motivo para isto é simplesmente o cansaço, para não mencionar a dor perineal associada, a libido diminuída ou a secura vaginal causadas pelo parto, o pós-parto e a amamentação.6 As mudanças hormonais e o estresse emocional podem fazer com que uma mulher se sinta pouco atraente por um longo período depois do parto. Frequentemente, os tecidos vaginais são forçados, machucados e rasgados, e as mulheres podem ter fluxo sanguíneo durante algum tempo depois do parto – pode levar semanas para que estas feridas e as consequências do parto sarem.6

É preferível, geralmente, esperar até o check-up em seis semanas com o médico antes de ter relações novamente.7

Embora não esteja estabelecido um período de tempo no qual a atividade sexual possa ser retomada pelo casal, tanto a mulher quanto  o homem devem estar prontos, física e emocionalmente, e isto varia entre os casais.

3    Vitaminas e contracepção durante a amamentação

Depois do parto, os seios da mãe podem estar sensíveis, inchados e, em alguns casos, duros. Algumas mulheres podem apresentar suores noturnos, ondas de calor e febre quando começam a amamentar; isto é completamente natural e deve desaparecer depois de alguns dias.8  A amamentação nem sempre ocorre de forma natural como se espera, mas existem técnicas de posições que podem ajudar para que o processo não seja doloroso. É sempre recomendável que a mulher tome suplementos diariamente, para benefício tanto da mãe como do bebê9. Devemos recordar também que a amamentação não significa que a mulher não possa engravidar.10  É importante o controle da natalidade para proteger contra uma gravidez não planejada, já que a primeira ovulação é imprevisível.11 Há muitas crenças equivocadas relativas à fertilidade depois do parto; algumas mulheres não menstruam até vários meses depois do parto, no entanto, algumas poderiam liberar seu primeiro óvulo antes que seu sangramento esteja presente e, por conseguinte, poderiam engravidar novamente.12 Uma vez que está em condições de ter relações íntimas novamente, fale com seu médico em relação às alternativas contraceptivas disponíveis para as mães recentes; existem muitas opções e é importante selecionar a mais adequada para a maternidade.12 As mães que amamentam devem evitar contraceptivos que contenham estrogênios, já que este hormônio afeta a produção de leite.13 Os métodos não hormonais e os contraceptivos que contêm apenas progestagênios são os ideais durante a amamentação.6

4    Seja realista em relação ao peso e nutrição

Os médicos recomendam abster-se do exercício exaustivo até, aproximadamente, seis semanas depois do parto.5 Os músculos abdominais foram esgotados severamente durante os nove meses da gravidez e durante o parto, de forma que estes músculos abdominais e dorsais estão mais fracos do que antes da gravidez. Existem alguns exercícios simples que podem ajudar imediatamente depois da gravidez. Ao realizar os exercícios corretos utilizando uma boa técnica, estabelecerá uma grande diferença, mas lembre-se de se mover lentamente. Uma mulher submetida a uma cesariana, deve consultar um médico para a indicação específica de quando iniciar os exercícios “abdominais”. No entanto não os faça muito rápido e seja realista com suas expectativas; não há uma fórmula mágica que faça retornar instantaneamente o corpo que tinha a mãe antes da gravidez. Levando em conta que uma dieta balanceada é fundamental para a boa saúde e bem-estar, principalmente se estiver amamentando, consuma alimentos nutritivos e saudáveis, e aumente a ingestão de líquidos.15

Não tente ser uma supermulher. Solicite ajuda se você precisar dela e não tenha medo de dizer ‘não’.

REFERÊNCIAS

1   Sherman, D, Lurie,  S, Frenkel,  E (1999) Characteristics of normal lochia. Am J Perinatol. 16(8):399­402

2   Herbert, J. (2009) Pregnancy and childbirth: the effects on pelvic floor muscles. Nursing Times;105: 7, 38–41

3   Wilson,  P.D. et al (1996) Obstetric practice and the prevalence of urinary incontinence three months after delivery. British Journal of Obstetrics and Gynecology; 103: 2, 154–161.

4   Sampselle, C.M. (1998) Effect of pelvic muscle exercise on transient incontinence during pregnancy and after birth. Obstertrics & Gynecology. 91(3) 406­412

5   NHS Choices UK (2011) Exercise after Pregnancy. [online] http://www.nhs.uk/Livewell/pregnancy/Pages/Exerciseafterpregnancy.aspx

6   Faculty of Sexual & Reproductive Healthcare Clinical Guidance (2009) Postnatal Sexual and

Reproductive Health. [online] http://www.fsrh.org/pdfs/CEUGuidancePostnatal09.pdf

7   Mayo Foundation for Medical Education and Research (2011)  Sex after Pregnancy. [online] http://www.mayoclinic.com/health/sex­after­pregnancy/PR00146

8   Marshall WM, Cumming DC, Fitzsimmons GW (1992) Hot flushes during breast feeding. Fertil Steril. 57(6):1349­50

9   National Institute for Health and Clinical Excellence (2008) Improving  the nutrition of pregnant and breastfeeding mothers and children in low­income households [online] http://www.nice.org.uk/nicemedia/live/11943/40097/40097.pdf

10 Department of Health. The Early Weeks: You [online] http://www.dh.gov.uk/prod_consum_dh/groups/dh_digitalassets/@dh/@en/@ps/@sta/@perf/documents/digitalasset/dh_107675.pdf

11 Routine Postpartum Care (2011) [online] http://emedicine.medscape.com/article/260187­overview#aw2aab6b3

12 Said, S., Gemzel C. (1974) Return of ovulation during the postpartum period. Acta Obstetrecia

Gynecologia Scandonavia 53 (1) 63­7.

13 NHS Clinical Knowledge  Summaries (2011) [online]: http://www.cks.nhs.uk/contraception/management/detailed_answers/influence_of_age_comorbidities_on_choice/postpartum_not_ breastfeeding

14 NHS Choices UK (2011) Your Body After Childbirth [online] http://www.nhs.uk/planners/birthtofive/pages/yourbodyafterchild.aspx

15 Lucile Packard Children’s Hospital (2011) The New Mother ­ Taking Care of Yourself After Birth

[online] http://www.lpch.org/DiseaseHealthInfo/HealthLibrary/newborn/newmom.html

L.BR.03.2014.1741