dor-relacao

Dor durante a relação sexual: isso é normal?

Não, dor durante a relação sexual não é normal. Porém, muitas mulheres se queixam por acreditarem que o problema está no formato da sua vagina ou por terem vergonha de procurar ajuda médica. O órgão genital feminino tem formato e elasticidade adaptáveis para a prática sexual e para a passagem da criança durante o nascimento. Portanto, raramente problemas de dor durante o sexo estão relacionados ao formato do órgão. Na maioria dos casos as dores são causadas por infecções ou até mesmo por fatores psicológicos.

A dispareunia, nome científico para designar qualquer tipo de dor que surja na relação sexual, pode ocorrer durante ou após o ato e não deve ser ignorada em nenhum dos casos, mesmo que tenha se manifestado poucas vezes. As dores podem atingir a vagina, uretra, bexiga, pelve (baixo ventre), ocorrer em todas as relações ou apenas em algumas, surgir independentemente da posição e estar ou não relacionada ao uso de preservativo.

As causas podem ser físicas, como:
– Falta de lubrificação natural em consequência de menopausa, parto recente, amamentação, uso de medicamentos que afetem os níveis de hormônios femininos ou por falta de excitação;
– Tratamentos oncológicos (rádio e/ou quimioterapia);
– Infecções, inflamações genitais ou problemas dermatológicos que afetem o equilíbrio da flora vaginal;
– Lesões causadas por parto, cirurgias ou acidentes;
– Doenças como: endometriose, cistite, miomas uterinos e doença inflamatória pélvica;
– Vaginismo, que consiste na contração involuntária dos músculos da parede vaginal.

Problemas psicológicos também podem afetar a saúde sexual e provocar dores durante o sexo, dentre os quais:
– Estresse e depressão;
– Sentimentos de vergonha, culpa ou medo relacionado ao sexo;
– Problemas entre os parceiros, impedindo que os dois se sintam a vontade durante a relação;
– Traumas, como abuso sexual e estupro.

Ao sentir dores durante a relação sexual você deve procurar seu ginecologista o quanto antes para que as causas da dispareunia sejam investigadas. Para isso, podem ser realizados exames tais como: coleta de secreção vaginal, ultrassonografia pélvica e transvaginal, exame de Papanicolau, exame de urina e teste de alergia ou consulta com psicólogos.

A partir dos resultados dessa avaliações , o seu médico poderá lhe recomendar um tratamento apropriado. Mas, é muito importante que no primeiro sinal da dispareunia você procure ajuda médica, pois quanto antes o tratamento for iniciado, mais rápido os resultados serão alcançados e sua vida sexual voltará a ser prazerosa.

Fonte:

BENTO, J. et. al. Sexualidade: autoconhecimento e qualidade de vida. São Paulo: Alaúde editorial, 122p, 2007
GERIN, Larissa; A ocorrência de dispareunia entre mulheres: como fica a saúde sexual. Acesso em 05 de fevereiro de 2015.
LOBATO, Reslei N.; GRADIM, Clicia V. C.; NOGUEIRA, Denismar A.; O Significado da Dispareunia na Vida Sexual das Mulheres. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=2630&numeroEdicao=18. Acesso em 05 de fevereiro de 2015.

L.BR.03.2015.3036