Os riscos da gravidez não planejada

Cerca de 55% das gestações no Brasil não são planejadas, apesar de haver uma série de métodos contraceptivos disponíveis. Gravidez não planejada é aquela que não foi programada pelo casal ou pela mulher. Geralmente, é causada pela ausência ou o uso incorreto dos métodos contraceptivos e a falta de informação. Leia mais sobre algumas consequências da gravidez não planejada e como ela pode ser determinante na vida de mulheres adultas e adolescentes.

Consequências da gravidez não planejada

A decisão sobre a hora certa de engravidar está relacionada ao direito básico que todas as mulheres devem ter sobre a sexualidade. A gravidez não planejada traz uma série de mudanças:

  • Alterações no corpo;
  • Mudanças na casa e na rotina;
  • Aumento dos cuidados com a saúde, até porque o pré-natal é fundamental para preservar as vidas da mãe e do bebê.

Além disso, a falta de planejamento da gravidez pode levar à situações mais graves, por exemplo:

  • Interferir no estabelecimento do vínculo com o bebê;
  • Interferir na decisão de amamentar;
  • Aumentar a chance de a mulher desenvolver depressão pós-parto.

Gravidez não-planejada na adolescência
As adolescentes têm maior risco de uma gravidez não planejada devido a fatores socioeconômicos, que dificultam o acesso a contraceptivos e às informações sobre sexualidade. Além disso, a adolescência é um período propenso a desafios e novas descobertas. É muito comum de os adolescentes pensarem que tudo pode acontecer com os outros, não com eles.

Ter um filho nesta fase da vida pode trazer alguns prejuízos ao corpo da mãe, que pode não estar completamente formado, ou seja, não está pronto para gerar um bebê. Além das transformações biológicas e psicológicas, a gravidez não planejada na adolescência é a razão de muitas evasões escolares. Cerca de 40% das mães adolescentes abandonam os estudos segundo o Fundo de População das Nações Unidas, veja os principais motivos:

  • Sintomas típicos da gravidez;
  • Vergonha;
  • Preconceito;
  • Pressão familiar, escolar e dos amigos.

Por outro lado, os casos de gravidez na adolescência diminuíram cerca de 17% de acordo com o Ministério da Saúde. A redução está relacionada à expansão de programas de saúde, a mais acesso a métodos contraceptivos e à educação sexual nas escolas.

Para evitar uma gravidez não planejada, procure o ginecologista. Ele poderá explicar sobre os diferentes métodos contraceptivos disponíveis e indicará o mais adequado para você.

Referências

http://www6.ensp.fiocruz.br/nascerbrasil/resultados-esperados/ – acessado em 21/09/2018

http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-do-adolescente-e-do-jovem/informacoes-sobre-gravidez-na-adolescencia2 – acessado em 21/09/2018

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011001000004 – acessado em 21/09/2018

https://www.gineco.com.br/wp-content/uploads/2018/11/gravidez-na-adolescencia-e-evasao-escolar.pdf – acessado em 21/09/2018

http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n3/v25n3a15 – acessado em 21/09/2018

http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049005257.pdf – acessado em 21/09/2018

https://nacoesunidas.org/quase-metade-das-gestacoes-no-brasil-nao-e-planejada-destaca-fundo-de-populacao-da-onu/ – acessado em 21/09/2018

https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5508:cerca-de-25-milhoes-de-abortos-nao-seguros-ocorrem-a-cada-ano-em-todo-o-mundo&Itemid=820 – acessado em 21/09/2018

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002012000300015 – acessado em 21/09/2018

http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n4/1414-8145-ean-19-04-0600.pdf – acessado em 21/09/2018

http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/250800/WHO-RHR-16.12-por.pdf?sequence=2 – acessado em 21/09/2018